segunda-feira, março 16, 2009

em posição de ser

Se o que resta é pouco
peço licença e não sobro.
Se bato,
recaio em posição de se.
Ser e sustento.
Olhos sujos,
me sinto imundo
em lapso
e arrebato.
Se me molho
me sinto largado.
E caio, bato, escarro,
assopro e pairo sobre meu salvador.
Sou de sangue e pouco me importo,
mato.
se for para o ser o que já é,
prefiro ser o fim.

Um comentário:

Anônimo disse...

Nãoooo!!
não gostei!
pode parar!
e olha, eu não sou estrangeira!
serve uma estrangeira cansada?? rs
ai ai

bjinho