terça-feira, setembro 21, 2010

nascimento

depois que o milton surgiu pra música, a música deveria ter o respeito de parar. o fim da linha chegou. a morte e a vida se encontraram. o negro sem pose de negro, o branco sem pose de branco, o branco e o preto, o adotado, o injustiçado e o mimado. o campo e a cidade. a harmonia complexa e a melodia simples. seria por respeito que ela deveria subir aos ares, a música se elevou em compassos divinos e por aqui parou. voou e o tempo parou. tic tac tic tac. tempo ganha outro espaço e novas origens. os minutos se acabam e se tornam segundos e meio. tempos distantes modernos confusos complexos simples. o negro, ouro, liberdade, chegou.
a música se estimulou e ganhou presença dentro do mundo, dos ventos, dos sons e do silêncio.

segunda-feira, setembro 13, 2010

ana rosa

o vento aqui
está tão bom
e eu me levo quando o vento vem assim,
calmo e silencioso,
vai e volta
como a maré do mar.
Navios negreiros
Ficam tensos todas vezes
Que olhamos e não mais só nos vemos.
o sentido se modifica quando é falado,
sentimento que corre sobre vestidos pouco mascarados.
o domingo venceu,
a luz foi comtemplada
e foi tudo tão bom.
catavento.