quinta-feira, março 08, 2007

Ela foi embora

Listando - John Lennon - Jealous Guy - 1971

Ela foi embora.
Não bate mais na porta.
E eu tenho choro e sei que ela também tem.
Vou explodir aqui.
Vou explodir nela.
As borboletas cresceram demais, minha Penélope.
Elas estufam meu peito querendo sair. Dói minha cabeça e minha garganta.
Quanto choro, quanta falta. Quanta.
Nem me queixo mais de quantidade.

Ela foi embora, escolhi uma trilha do John.
Seu som favorito é meu também.
Quero sentir. Junto. Juntos.
Vem me salvar.
Eu não quero imaginar que eu não posso te ver amanhã.
É algo muito doloroso.
Como assim?
Como?
Eu to ficando sem palavras.

Ela foi embora.
Pare em algum posto.
Junte algumas moedinhas e vai lá correndo no orelhão.
Me chame. Me toque.
Mêmê.
Eu estou engolindo minha dor, como diz John.
Mas eu não quero te ferir, muito menos sou apenas ciumento.
Eu te amo.

E você foi embora.
E eu tenho muito medo do que vou ter que passar.
Não quero passar por algumas coisas que já passei.
Eu sei que vou ficar só.
Sei que vou sozinho, onde quer que eu vá.
Eu tenho medo. As notícias me dão medo.
Eu não sei onde vou poder parar.
Eu tenho medo e você está muito longe para me dar um abraço.

Eu vou sentir falta de me sentir alguém,
De refazer, de reviver.
Isso vai fazer falta também.
Você é logo, objeto direto.
E vivo por você. Para cantarolar meu dia e minhas qualidades.
Se o problema é pedir, implorar, vem aqui, fica aqui.
Vamos até a sorveteria, lembra das moedinhas? Vamos usá-las.
Espero que o orelhão não tenha lhe roubado tudo.

Ela foi embora.
Preciso da voz.
Do mar.
Da mar.
Do amar.
Eu não quero te fazer chorar,
Mas preciso voltar a reflorar em sua pele.
Vem aqui, te prometo um beijo.
Sério. E não é para chorar.
Não sou apenas um rapaz ciumento,
Apenas te amo.

E com meus discos você pode cantar,
Ouvir minha voz, dançar.
A menina dança.
Você já é uma porção de histórias.
Um montão de momentos, felicidades e desejos.
Um montão que eu quero de volta.
Eu não estou me agüentando, estou com medo.
Por favor, me de um abraço.

Penélope, já é hora.
Você tem um filme seu.
Por ora, é sua hora de criar o seu.
Junte as moedinhas e boa sorte.
Eu vou dar a maior força daqui,
Sou apaixonado pelo seu talento.
Você sabe que é apaixonante e talentosa.
E vou ficar de bobão aqui, babando por tudo que fizer.
E não sou apenas um rapaz ciumento.

E também você pode ir até ao pipoqueiro,
Contar as moedinhas e lembrar que eu me amarro em pipoca.
E não se esquecer da nossa pimenta.
Nosso amor. Nosso sexo.
Oh Penélope, agora fale baixinho. Já é muito tarde.
Só eu, você e o John acordados.
Daqui a pouco vou lá na minha cama.
Dar um salve ao São Miguel e ao Miduru.
O John estará lá olhando pela gente.
Por toda gente.

E ela foi embora,
Você, ela.
Seu cheiro ficou nas conchinhas.
Seu cheiro é tão bom, seu abraço. Seu braço
Seu chorar, seu sorrir, seu beijar.
O seu meu.
Pois volte, Penélope.
Volte.

Eu não sou apenas um rapaz ciumento,
Eu te amo.
Vou explodir com sua falta.
Vou chorar o mundo, vou chorar você.
Vou ficar aqui te esperando, te sentindo.
Porque eu sei que você vai voltar, eu sei.
Melhor eu ir descansar, você sempre pede para eu descansar.
Porque se você deixasse falaria até esgotar a minha última lágrima.

É isso, a terra é sua.
Estarei aqui te esperando
Para virar e revirar os olhinhos
Para dormir comigo
E para sonhar.
Eu sou ciumento, mas isso não importa.
Eu te amo.
Um beijo.