sexta-feira, agosto 21, 2009

natal

Dentro de mim
Respira fundo o peso do concerto
Entre o fatal e o natal.
Seus olhos contam quantas
Cores podem ser.
O amor quebra e replica.
Desmorona por ter.
Subtraio o vento insano do seu desejo
Cor de fantasma e forma devassa.
O vazio vem natural dentro do corpo.
Sangue corre,
E assume o poder da criação do ser.
Renasce amor assim,
Sem muito dever.
O querer vai junto com todo vendaval
Que forma o cheiro da chuva interiorana.
Gosto de terra,
Cheiro que arrepia,
E pele negra.

3 comentários:

Anônimo disse...

Eu sei que vc não gosta de citações, mas foi o melhor que achei para definir:

'Mas o que quer dizer este poema?-perguntou-me alarmada a boa senhora.
E o que quer dizer uma nuvem? respondi triunfante.
Uma nuvem- disse ela- algumas vezes quer dizer chuva, outras vezes bom tempo.

É isso. Você continua sendo uma boa equação. Uma nuvem... nada passageira em minha vida.

Katrina disse...

Cof cof, odeio papai noel

T. disse...

Você o maior escritor da minha geração também.