terça-feira, setembro 04, 2012

chequem se não há mais nada velho, vencido, cheirando forte

Dentro dos meus olhos,
Corro na velocidade
De realizar um sonho.
Testo minha saudade
Nos jogos de cartas.
Sinto o alerta gritando!
Atenção na janela!
O urubu segue me olhando e,
vencendo.
Corro. Luz. Corrimão.
Escada descendo por mim.
Acabo na Bahia.
O sol escapa da pele
E só sinto o branco,
Pranto. Santo.
Corrida na porta principal.
Parafuso é mente.
Destaque.
Dente dilacerado
Que morde, assopra e corrói.
Fique contente,
Eu não sei o que está por trás de nós.

Um comentário:

Laís Bueno disse...

Não entendo de poesias ou poetas.
Mas gostei da composição de palavras. O título, então...