domingo, janeiro 09, 2011

o que distingue?

Nesse alvorecer não quero pressa,
Quero jogar meu braço no mundo
E tornar o minuto em você.

Dentro do juízo,
Dormimos bem.
É o primeiro dia do ano.

Os sentidos que nós deixamos,
Tomam conta desse pedaço
De fim de festa.

A ausência me transpõe em vontade.
O ar sobe,
E o peito escorre.

Desespero se apaga.
Sonho e lua cheia não se acabam?
Enfim, o dia renasce.

Pra que mentir?
O que distingue
Você de você?

Sol solidão.
Num canto, você canta
No outro você é tanto.

Até que hoje o dia tem cores
Ainda não vistas por mim,
Como é bom que você só exista neste dia de sol.

Deixei tudo e o nada
De alguém que queria se livrar
Do dia de sentir.

E você veio com esse gosto na boca,
Enquanto o outro você
Não entendia nada.

Você é tudo e o todo,
E isso faz os nossos desejos
Se transformarem em mundos.

Ela desmentiu,
E puniu qualquer forma de amor.
Já você contou e assumiu qualquer forma de transpor.

A roda gira,
E o canto pra lá do fim do mundo
Nos espera.

Na ponta da praia,
Encontramos uma casa para nós,
Cheia de prata e paz.

Um comentário:

Wandrei Braga disse...

Gostei da inspiração. Parabéns!