quinta-feira, fevereiro 22, 2007

Meu

Listando - Arnaldo Baptista - Desculpe - 1974

Há quem diga. Há.
Digo do digo do Sérgio Sampaio. O Meu meu, meu.
Sou meio, desculpe.
Desculpe se eu fiz você chorar. desculpe.
Me desculpo, mas não me oculto. Estou aqui, ainda posso colorir, virar olhos, sofrer, espirrar e cantar.
Ao mesmo tempo do meu tempo eu lamento o meu tempo no curto espaço de pensamento no curto espaço do meu braço. Revirgulo, revivo, remorto. Desculpe.
Esse blogo ninguém lê. Desculpe, Domingo, nem você. Sinto o barato de ser humano, de me sentir só nesse meio de mundo rodeado por mundões.
Meu meu, meu.
A gente já andou por aí, viveu por aqui. Você, Domingo.
Desculpe. Sem acessos você vai acabar. Resfriado. Esse frio que dá tanto calor, essa multidão que te deixa tão só. Desculpe-me.
Desculpo. Desocupo você de mim, sou eu e você, nós e mais ninguém.
Não foi para ser bom, você sabe. Reconhece.
Foi para pedir sua atenção.
Me dê as mãos, vamos sair para ver o sol.
As vezes lembro que sei do Português, mas logo esqueço. Essa de nação é fogo, eu não quero Botafogo, Sushi, São Paulo, Brasília ou perdão.
Não quero repartir ningúem, muito menos você, meu Domingo. Continuaremos assim vivendo nosso domingo, só eu e você, vivão e vivendo.
Desculpe, pois desculpo meu bem.

Vem aqui e me da um abraço.
Você sabe, Eu sou você e você é meu seu.
Desculpe.

Um comentário:

penélope disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.